Skull Sessions


Rob Mazurek Octet - Skull Sessions

Faixas:
1. Galactic Ice Skeleton
2. Skull Caves of Alderon
3. Keeping the Light Up


• Submarine Records (sub024) / Cuneiform Records (Rune 349, EUA) | 2013

• Formato: vinil 12″



• Ficha técnica:
Rob Mazurek – direção, cornet
Nicole Mitchell – flautas
Jason Adasiewicz – vibrafone
John Herndon – bateria
Mauricio Takara – cavaquinho, eletrônicos, percussão
Guilherme Granado – teclados, eletrônicos, percussão
Thomas Rohrer – saxofone, rabeca
Carlos Issa – guitarra, eletrônicos

Arte: John Herndon


“Como é o som da colisão de mundos distintos? Para o compositor, cornetista e criador Rob Mazurek, a fusão de sua aclamada Exploding Star Orchestra com sua banda brasileira São Paulo Underground, esse som é uma bela combustão cósmica. “Skull Sessions“, o primeiro lançamento do recém criado Rob Mazurek Octet, captura uma série de composições e improvisações que, de uma maneira épica e cheia de reações inesperadas, enchem a atmosfera como uma tempestade de trovões e levam embora qualquer tipo de detrito sônico.

Uma conhecida e inventiva força criativa na cena de Chicago há duas decadas, Mazurek é um intrépido explorador sonoro sempre disposto a examinar e testar novas configurações sônicas. Seja com o versátil Chicago Underground (Duo, Trio, Quartet e Orchestra), Exploding Star Orchestra, Starlicker, São Paulo Underground ou Pulsar Quartet, Rob vem criando uma linguagem estética aberta para seus colaboradores darem substância para suas composições através de camadas de som. Fiel a essa ideia e levando ela ainda mais longe,” Skull Sessions” tem membros vindos da América do Norte, do Sul e da Europa, incluindo o baterista John Herndon (Tortoise, Isotope 217), Jason Adasiewicz (Rolldown), Nicole Mitchell (Black Earth Ensemble), Guilherme Granado (Hurtmold, Bodes & Elefantes), Carlos Issa (Objeto Amarelo, Auto), Mauricio Takara (Hurtmold, M.takara) e Thomas Rohrer.

Ao invés de criar oportunidades para expressão individual, nesse caso a música de Rob gera um forum para descobertas em grupo.”O solista nao é a preocupação principal”, ele diz. ” A intenção é ter as personalidades dividindo e trocando idéias sonoras que têm o potencial de se expandir e contrair em qualquer momento tendo como objetivo encontrar espaços escondidos e que devem existir para podermos nos elevar e entender a origem de onde nós podemos ter vindo e onde nós podemos estar indo”.

A big band que forma “Skull Sessions” foi reunida quando a exposição “Queremos Miles!”, do SESC Pinheiros em São Paulo pediu para Mazurek criar uma apresentação relacionada à sua profunda afinidade e admiração pela musica de Miles Davis. Como é característico do compositor, ele decidiu não recriar nada da musica de Miles, e sim compor novas peças e rearranjar outras de suas proprias composições para o octeto, levando em conta cada uma de suas personalidades e sons individuais e originais.”